quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Método Billing: Método Natural de Controle de Natalidade recomendado pela Igreja.

O método de Billing (ou Método da Ovulação) é o método natural de controle da natalidade mais recomendado pela Igreja, dada a sua facilidade e eficácia em quase 100% dos casos. Portanto, é um método seguro de planejamento familiar. Outros métodos naturais, como o Método da "Tabelinha", mostraram-se falhos em muitos casos.

O método da "tabelinha" é baseado no período menstrual e apenas 20% das mulheres têm o ciclo menstrual regular. Pelo fato de ser um método falho para a maioria das mulheres, os defensores dos métodos artificiais citam apenas esse método, como sendo o único método natural, dizendo que o método natural falha. Raramente citam os demais métodos (da ovulação e da temperatura basal). Quando os ciclos são regulares o método da "tabelinha" é útil, porém, dadas as freqüentes irregularidades, este método tem muitas falhas.

Já o método de Billing tem uma eficácia comprovada, pela Organização Mundial de Saúde, de 98%, superior à pílula anticoncepcional cuja eficácia se situa entre 96% e 97%. A explicação do método de Billing abaixo é recomendado exclusivamente aos casais unidos pelo sacramento do matrimônio.

Quando a mulher está na fase fértil de seu ciclo, seu corpo produz uma secreção mucosa especial. Ela pode saber que sua fase fértil começou quando sente uma sensação de umidade e vê este tipo de fluxo mucoso.

No início o fluxo mucoso é opaco e pegajoso (figs 1 e 2). Depois, vai se tornando mais claro e elástico (fig 3), com a sensação de umidade lubrificante. Esta é a umidade que indica o período fértil.

Vejamos as fases do ciclo menstrual da mulher:

Fase 1) Ponto de partida: a menstruação.
Fase 2) Depois da menstruação, há um período de secura, na qual a mulher nada sente na vagina.
Fase 3) A seguir, começa, então, a fase fértil do ciclo com o aparecimento do ciclo mucoso que muda com o passar dos dias.
Fase 4) Segue, então, novo período de secura que durará até o início da menstruação seguinte, quando começa um novo ciclo.

Este ciclo não tem o mesmo ritmo em todas as mulheres e, na mesma mulher, pode mudar de um ciclo a outro. Assim, este ciclo será usado como base para explicar os ciclos mais curtos ou mais longos. Segue o estudo desse ciclo (de 30 dias), que indicará quando é possível e quando é impossível que ocorra a gravidez.

Na figura abaixo , que corresponde aos 30 dias do mês, anotamos em vermelho os dias de sangramento menstrual (fase 1), seguido, em marrom, do período infértil de secura . Começa, então a fase fértil (fase 3), indicada pelo branco.

Como vimos, no início da fase fértil o fluxo mucoso é pegajoso e espesso (figs 1-2), de cor ligeiramente creme. Com o passar dos dias, o muco vai ficando mais claro, mais elástico e fluido (fig 3), e se sente úmido e escorregadio, de modo que a mulher tem uma sensação inconfundível de lubrificação na abertura vaginal. Segue-se, então, uma mudança e o fluxo mucoso se transforma em opaco e pegajoso (fig 1), desaparecendo toda a sensação de umidade e lubrificação. O último dia em que a mulher sente a sensação úmida e escorregadia é o DIA DO ÁPICE.

Indicamos este dia em azul para distingui-lo dos demais: este é o dia em que a mulher atinge seu grau mais alto de fertilidade e é mais provável que conceba. O fluxo mucoso se apresenta como na Fig 3. Convém lembrar que o dia do ápice se reconhece um dia depois, quando o fluxo mucoso mudou (Fig 1) e a sensação de umidade e lubrificação desaparecem por completo.
Os 3 dias que se seguem ao ápice são também férteis. O quarto dia, porém, marca o início de um período infértil (fase 4), quando a mulher não pode conceber uma criança. Normalmente, dura umas 2 semanas.

O que faz com que um ciclo seja mais longo ou curto (variando de 23 a 35 dias) é só o número de dias entre a menstruação e a chegada do dia do ápice. Pode ser que não haja dias secos (fase 2) antes que comece o fluxo mucoso (mostrado na fig 1), ou que os dias secos se prolonguem mais que o normal. Nos gráficos abaixo, são mostrados: um ciclo de 23 dias, sem os dias secos da fase 2 (fig 5), um ciclo de 28 dias com poucos dias secos (fig 6), um ciclo normal de 30 dias (fig 7) e um ciclo longo de 35 dias, com uma prolongada fase 2 de dias secos (fig 8). Note que o número de dias da menstruação (fase 1) e do período fértil (fase 3) também podem variar. A fase 4, porém, quase sempre, é regular para toda mulher e dura, aproximadamente, duas semanas, entre a ovulação (dia do ápice) e a menstruação seguinte.
Portanto,

1) Para obter uma gravidez: Ter relações quando o fluxo mucoso aparecer, sendo o dia do ápice o tempo mais favorável para a concepção .

2) Para espaçar a gravidez:

Evitar relações sexuais nos dias da menstruação (fase 1)
Espace as relações sexuais durante os primeiros dias secos (fase 2) em noites alternadas, pois o fluido seminal (sêmen) pode confundir o reconhecimento do fluxo mucoso.

Evite ter relações sexuais quando sentir mudança na secura (que indica o início da fase 3) até o quarto dia após o ápice.

Desde este momento até que comece a menstruação, não é possível a gravidez e não há restrições nas relações sexuais.

E quando a mulher está amamentando?

Neste período a mulher sabe que não é fértil, seja pela sensação de secura ou pela presença constante de uma secreção vaginal invariável, que permanece igual dia após dia. Esta secreção é completamente diferente do fluxo mucoso. Neste caso recomenda-se relações sexuais em noites alternadas de secura (ou de secreção invariável), depois de ter observado ao longo do dia que não há nenhuma mudança na secreção. E evitar por completo relações sexuais cada vez que observar uma mudança de secura (ou da secreção invariável) até a quarta noite depois de voltar a apresentar o mesmo padrão de infertilidade, conforme indicado na figura abaixo:

Em marrom claro e escuro, são os dias secos, muito frequentes durante a amamentação. Em branco quando se percebe umidade. Em amarelo são os 3 primeiros dias de secura seguintes aos dias úmidos. Marrom claro e escuro, indicam dias de secura quando as relações sexuais devem ser feitas em noites alternadas, para evitar de confundir o sêmen com a umidade do fluxo mucoso. Na figura acima, os dias recomendados para a relação sexual sem possibilidade de gravidez está indicado em marrom claro. Em branco, amarelo e marrom escuro as relações devem ser evitadas.

Estas regras para o período de amamentação devem ser aplicadas também quando a mulher apresenta ciclos irregulares, muito longos, devido a tensão, doenças, pré-menopausa, ou se recuperando dos efeitos da pílula ou do DIU. Devem ser aplicada até que o fluxo mucoso reapareça.

Observações Finais:

1) Cada ciclo tem seu próprio padrão, por isso, numa mesma mulher haverá pequenas variações de um mês para outro.

2) Não é necessário observar o fluxo mucoso com os dedos, pois pode ser observado quando se limpa a abertura vaginal com papel higiênico.

3) Para identificar a fase fértil de seu ciclo, a mulher só precisa controlar a presença e as características do fluxo mucoso. Ele informará à mulher a situação de sua fertilidade, quer seus ciclos sejam regulares ou irregulares. Quer no período de amamentação, na pré-menopausa ou no abandono da pílula ou do DIU.

4) O Método da Ovulação é fácil de usar e simples de aprender. Recomenda-se abstinência das relações sexuais de 2 a 4 semanas, enquanto se aprende o Método da Ovulação, observando seu padrão de fertilidade. Durante a aprendizagem do método e nas circunstâncias especiais citadas (amamentação, abandono da pílula, etc.) é recomendado o acompanhamento de um instrutor do método de ovulação.

5) O Método da Ovulação pode ser usado tanto para conseguir como para evitar a gravidez. Usado para conseguir a gravidez, um casal de fertilidade normal, geralmente conceberá dentro de 3 ciclos. Usado para evitar a gravidez, o método é eficaz em 98,5% dos casos.

As informações científicas prestadas por autoridades nas áreas de endocrinologia, obstretícia e ginecologia, além de maiores detalhes sobre este método, podem ser encontradas no excelente livro de onde extraiu-se esta matéria.

Livro: Amor e Fertilidade (Método de Ovulação)de Mercedes Arzú Wilson

Um comentário:

Giselle disse...

Olá!
A Paz!
Gostaria de Parabenizar a iniciativa em propagar um método Como O Billings.

Aproveito para destacar que a eficácia do método também depende de um bom acompanhamento feito por uma instrutora experimentada no Método da Ovulação Billings.

Em Belém do Pará temos uma instrutora do CENPLAFAM - Confederação Nacional de Planejamento Natural da Família, ligada a WOOMB.

Para informações mais precisas sobre o método e agendamento de atendimento sobre o mesmo: http://www.familiadenazare.com.br/plafam

Agradecemos a colaboração

Um abraço Fraterno

Giselle Maia
Comunidade Família de Nazaré
Instrutora do CENPLAFAM